sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Paletas de Cores Digitais

         Predominantemente, hoje, a colorização de desenhos é efetuada por meio digital. Mesmo as produzidas de forma artística, dependendo do fim que esta se destina, passarão pelo processo digital de edição e terão - direta ou indiretamente - suas cores manipuladas pelos meios digitais.
        Segundo a Wikipédia, “uma paleta, no jargão da informática, especificamente da computação gráfica, é um subconjunto determinado da gama total de cores suportadas pelo sistema gráfico de um computador. Para cada cor da paleta se designa um número, e em cada pixel é armazenado um destes números. Estes números determinam a cor do pixel. As paletas permitem que imagens que contenham um pequeno número de cores sejam armazenadas utilizando-se uma quantidade reduzida de memória gráfica”.
        Os programas de colorização e edição de imagem - em particular os da suíte Adobe - apresenta matizes numa linha vertical e as variações de saturação/brilho num diagrama, que vai do escuro ao claro no eixo vertical, e do cinza ao saturado no eixo horizontal. A maioria dos programas gráficos ou sistemas operacionais de computadores usam algum tipo de círculo cromático no padrão RGB para que o usuário selecione a cor desejada .
        Estas são versões padronizadas, criadas com base no sistema de cores da mistura substrativa que vimos anteriormente (modelo CMYK) que se baseia o círculo cromático de processo.
        A normatização das cores seguindo regras internacionais de padronização, é para que seja aqui ou em qualquer outro lugar no mundo, as cores definidas em um determinado projeto sejam fielmente reproduzidas. Evitando assim falhas na reprodução gráfica da imagem.  
        Os padrões dos sistemas de cores digitais de maior uso industrial e comercial são: Pantone, Focoltone,  Toyo e Trumatch.

          A direita vemos a paleta digital Pantone; este sistema de especificação cromática é bastante conhecido nos Estados Unidos, Europa e Reino Unido. Cada cor é definida por uma fórmula, que diz à gráfica como misturar dez cores primárias para criar a tonalidade exata. Os valores de conversão CMYK oficiais também estão disponíveis, mas só aproximadamente a metade resultará numa combinação perfeita da cor do ponto.
        O processo Pantone de colorização permite que você escolha entre mais de 3.000 combinações CMYK e seu alinhamento permite o uso de 1.300 cores sólidas.


Ao lado podemos observar a paleta Focoltone. A palavra Focoltone vem do inglês four color tone, porque é baseado no sistema CMYK. As 763 cores impressas por processo, ou pré-misturadas pela gráfica como cores de ponto sólidas. Amplamente utilizado, o Focoltone é líder em software de design gráfico como o Adobe Photoshop, Adobe Illustrator, Macromedia Freehand e Quark Xpress, para a cor mais fácil de correspondência no trabalho de design.





        Na sequencia ( não me acostumei ainda a tirar o trema desta palavra), podemos observar a amostra da paleta TOYO Color Finder 1050. Consiste de mais de 1000 cores baseadas nas tintas de impressão mais comuns usadas no Japão. Consiste de mais de 1.000 núcleos baseadas. As tintas de impressão comumente usadas Japão, O TOYO Color Finder 1050 Book contém amostras impressas das cores Toyo e está disponível a partir de impressoras e artes gráficas lojas de suprimentos. Ou seja é o sitema japonês bem particular para colorização digital e impressão gráfica.


    E finalizando, podemos obrervar à direita o Thrumacht Color Finder. Fornece cores CMYK correspondência previsível com mais de 2.000 cores. O digital, patenteado TRUMATCH do sistema é a paleta de 4 cores em todos os programas de software para design gráfico e ilustração da Adobe, Corel e Quark. Incluindo o popular Adobe InDesign, Adobe Photoshop, Adobe Illustrator, Adobe PageMaker, Adobe FreeHand, CorelDRAW, Corel Ventura e QuarkXPress. Isso inclui o  Adobe InDesign, Adobe Photoshop, Adobe Illustrator, Adobe PageMaker, Adobe FreeHand, CorelDRAW, Corel Ventura e o QuarkXPress. TRUMATCH é baseado nas teorias da cor original que descreve como o espaço tridimensional, que foram apresentados separadamente por Munsell e Ostwald em 1929 e 1931, respectivamente, e refinado em 1931 pela Comissão Internacional de Iluminação (CIE).

          É visível a semelhança entre os sistemas de colorização digital; a variação maior encontra-se na gama de cores disponíveis e as possibilidades de combinação entre si.
        Aparentemente eles parecem bem desorganizados em parte porque seus swatches (amostras) são arranjados em uma janela de proporções arbitrárias. Os programas também vem com alguns conjuntos de cores próprios que podem ser úteis. Se você prefere começar do zero, o selecionador RGB lhe dá alguma idéia da relação entre matizes. Mas não há disposições para círculos cromáticos alternativos, nem qualquer maneira de encontrar combinações de cores, exceto a olho  nu ( no olhômetro, como dizia minha professora de desenho na UFPB, Rosires). Há várias utilidades de software foram desenvolvidas  para resolver estas imperfeições. Por exemplo, o programa Corel Draw X3 oference na sua lateral direita, a paleta de cores pré-definidas do programa. Na ferramenta Editor de Paleta, você pode escolher a paleta de cor a ser aplicada pelo programa; há duas padrões que são a paleta CMYK predeterminada, a paleta RGB predeterminada. E as que você pode usar e editar que são paleta personalizada (com opções temáticas de cores) e  a paleta do usuário (que você pode criar paletas baseada nas pé-existentes de cores e salvar ; ou adicionar paletas pré-existentes do seu PC nesta pasta).
        Apesar das mudanças de uma paleta para a outra, só existe uma diferença real entre os sistemas de colorização, seja ele digitas ou manual: a capacidade de utilização individual de cada um. Independente de como o artista colore, seu conhecimento, domínio do material e ferramentas, farão a grande diferença e até o destacará dentre os demais o caracterizando de maneira particular, o que chamamos na arte de  estilo.

Nenhum comentário: